quarta, 24 de julho de 2024
Geral
04/07/2024 | 17:44

Kopenhagen não detém direito exclusivo sobre a marca Língua de Gato

A Justiça Federal do Rio de Janeiro anulou registro da marca nominativa "Língua de Gato" da Kopenhagen, para chocolates e doces. Prevalecendo a decisão o termo ("Língua de Gato") - que possui significado próprio, segundo a Justiça - pode ser utilizado por outras chocolaterias

 

Em uma decisão que promete causar impacto significativo no mercado de chocolates, a 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro anulou registro da marca nominativa "Língua de Gato", nome da NIBS Participações S.A., mais conhecida pela marca Kopenhagen. A ação, movida pela AllShow Empreendimentos e Participações Ltda, visa a declaração de nulidade dos registros nº 906.413.478 e nº 906.413.966, sob a justificativa de que se trata de expressão descritiva ou comum e não propriamente distintiva do produto da Kopenhagen. 
 
A expressão "Língua de Gato" foi criada no exterior ainda no século XIX para esse mesmo produto e já é utilizada há décadas no Brasil e no mundo para designar chocolates no formato de uma língua de gato, tornando-se um termo amplamente conhecido, pulverizado e, assim, utilizado por diversos players. Nos dizeres da sentença: “Ficou comprovado que a expressão ‘LÍNGUA DE GATO’ é de uso comum para designar chocolates em formato oblongo e achatado”.
 
"Língua de Gato associada a um chocolate nesse exato formato não é marca. Não há distintividade apenas na expressão verbal, sem prejuízo de outras marcas registrada da Kopenhagen no conjunto, mas só a expressão nominativa não. Isso franquearia a uma particular exclusividade a um nome de produto, como seria eventual proteção para o próprio nome chocolate, depondo contra à livre concorrência ", afirmou Fábio Leme, sócio da Daniel Advogados e representante legal da AllShow, autora da ação anulatória. "A expressão constitui o próprio nome do produto”, completa.
 
Em sua defesa, a NIBS Participações S.A. alegou que a marca "Língua de Gato" possuía distintividade suficiente ou adquirida (secondary meaning), afirmando que a expressão nunca foi de uso comum ou descritiva, o que foi refutado pela sentença de primeira instância. 
 
Decisão Judicial
 
Após analisar os argumentos de ambas as partes e considerar as evidências apresentadas, incluindo pesquisa de opinião apresentadas pelas duas partes destacando a percepção do consumidor no tocante à expressão “Língua de Gato”, a Juíza Federal Laura Bastos Carvalho decidiu pela anulação do registro nº 906.413.478, que abrangia chocolates e produtos relacionados (doces), removendo, portanto, a proteção com exclusividade apenas para “Língua de Gato”, para essa categoria (chocolates). A decisão, portanto, foi fundamentada no artigo 124, VI da Lei de Propriedade Industrial (LPI), que proíbe o registro de termos descritivos ou comuns para produtos específicos.
 
"A Justiça Federal especializada demonstrou clareza e sólido conhecimento na interpretação do dispositivo da Lei de Propriedade Industrial, garantindo que o termo genérico permaneça acessível a coletividade, o que não deixa de ser resultado da especialização da prestação jurisdicional", destacou o sócio. "Essa decisão reforça a importância de se manter atenção às decisões do INPI, evitando distorções buscadas pelos particulares e, assim, garantindo a justiça no mercado", afirma. 
 
No entanto, o registro nº 906.413.966, que incluía produtos não relacionados a chocolates e doces, foi mantido, considerando que a especificação não fazia referência direta ao formato dos chocolates.
 
De toda forma, a decisão ainda pode ser alvo de recurso por ambas as partes e terceiros(as) interessados(as). A Kopenhagen é representada processualmente pelo escritório Dannemann Siemsen e a Cacau Show pela Daniel Advogados. 
 
Impacto no Mercado
 
Esta decisão é um marco importante na regulamentação de marcas no Brasil no setor de chocolates, destacando a importância de se proteger apenas signos efetivamente distintivos. Empresas do setor de chocolates e de outros segmentos devem estar atentas às implicações e possibilidades geradas por essa sentença. 
 
"A decisão é um passo crucial para assegurar um mercado mais justo e competitivo," concluiu Leme. "É fundamental, ainda, que os particulares tenham clareza sobre a impossibilidade de se apropriar de termos genéricos que pertencem ao domínio público", finalizou o advogado.
 
Sobre a Daniel Advogados  
 
Com mais de 60 anos de experiência, a Daniel Advogados mantém um compromisso sólido com a proteção e o gerenciamento da Propriedade Intelectual. Orgulha-se de ser uma referência na definição de tendências em suas áreas de atuação, adotando uma abordagem multidisciplinar, integrada e inovadora. 
 
O escritório abrange uma ampla gama de serviços, incluindo o Contencioso de Marcas, Patentes, Licenciamento e Transações Comerciais, bem como o Combate à Pirataria. Além disso, a Daniel Advogados destaca-se em diversos campos do Direito Digital. Conta com uma equipe altamente qualificada, especializada em Tecnologia, Privacidade e Proteção de Dados, reconhecida em diversos prêmios do campo jurídico. 
 
Além de oferecer inovação jurídica como produto, a Daniel Advogados integra ferramentas tecnológicas de ponta em seus serviços. Tem o orgulho de ter desenvolvido o Simulador de Multas, que permite às empresas calcularem multas por infração à LGPD em diferentes cenários, e o Zarabatana, uma plataforma de derrubada de links produtos piratas na internet. 

JORNAL IMPRESSO
19/07/2024
12/07/2024
05/07/2024
28/06/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS