domingo, 21 de julho de 2024
Polícia
28/06/2024 | 15:26

Operação Presságio: Polícia Civil cumpre 26 mandados e afasta servidores em Florianópolis

A POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SANTA CATARINA, por meio da DCAC – Delegacia de Investigação de Crimes Ambientais e Crimes contra Relações de Consumo da DEIC - deflagrou, na manhã de hoje (28/06/24), a terceira fase da Operação Policial PRESSÁGIO, com o cumprimento de 26 (vinte e seis) Mandados de Busca e Apreensão nas cidades de Florianópolis e São José, além de 06 (seis) ordens de Afastamento de Cargo Público, de servidores do município de Florianópolis/SC.
 
A Operação Presságio iniciou-se com a investigação dos crimes ambientais de poluição e instalação de atividade potencialmente poluidora sem licença ambiental, ocorrido no terreno adjacente à Passarela Nego Quirido, durante a greve da autarquia municipal COMCAP (janeiro/2021), além de crimes contra a administração pública.
 
Todavia, com o aprofundamento das diligências descortinou-se um esquema estruturado de desvio de dinheiro público, instalado na Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Esporte de Florianópolis, utilizando como pano de fundo os termos de fomento, firmados entre a municipalidade e organizações da sociedade civil.
 
O modus operandi utilizado pelos investigados não deixa dúvida do esquema ilícito orquestrado pelo grupo. Os investigados angariavam pessoas para constituírem MEI - microempreendedor individual, visando a emissão de notas fiscais fraudulentas, ou seja, sem a devida prestação dos serviços. Após a apresentação da nota fiscal fria, recebiam o pagamento da associação e, na sequência, efetuavam a devolução do valor para um dos investigados, considerado pela investigação como o operador financeiro do grupo criminoso.
 
Na segunda fase (29/05/2024) 4 (quatro) investigados tiveram a prisão preventiva decretada e permanecem em custódia cautelar, ao término do respectivo Inquérito Policial, 18 (dezoito) pessoas foram indiciadas pelos crimes de Peculato e Falsidade ideológica, dentre outros delitos contra a administração pública.
 
Nesta terceira fase a investigação orbita sobre fatos semelhantes aos investigados na fase anterior, resultando na ampliação do número de pessoas investigadas, que aparentemente fazem parte do mesmo grupo criminoso, entretanto, identificou-se uma segunda secretaria municipal, supostamente envolvida no esquema.
 
Alguns alvos ainda são servidores públicos, que apesar de operarem no esquema criminoso, permaneceram ocupando cargos públicos comissionados e terceirizados, inclusive, foram remanejados de cargos após a deflagração da primeira fase da operação.
 
Outros investigados são pessoas identificadas como emissoras de notas fiscais para projetos sociais, sem a devida prestação dos serviços, além de empresários do ramo de eventos e esportivo.
 
Foram alvos de busca e apreensão as residências dos investigados e dois órgãos públicos municipais. Nos locais das buscas restaram apreendidos aparelhos telefônicos e documentos relacionados aos fatos sob apuração.
 
As medidas cautelares foram chanceladas pelo Ministério Público, que atuou por meio da 31ª Promotoria de Justiça e deferidas pela Vara Criminal da Região Metropolitana da Comarca de Florianópolis.
 
Participaram da Operação um total de 105 (cento e cinco) Policiais Civis das diversas delegacias especializadas da DEIC - Diretoria Estadual de Investigação Criminal - e delegacias da DPGF - Diretoria de Polícia da Grande Florianópolis.
 
A investigação está sob sigilo e outras informações serão repassadas oportunamente.
 
Fonte: Polícia Civil

JORNAL IMPRESSO
19/07/2024
12/07/2024
05/07/2024
28/06/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS