sexta, 21 de junho de 2024
Geral
18/05/2024 | 08:36

SC Expo Defense reforça a importância do setor de Defesa para o país

O setor de Defesa e Segurança tem sido o motor dos principais ciclos de desenvolvimento econômico e de inovação no mundo todo. Leva a reboque a inovação para outros setores, quando as tecnologias desenvolvidas encontram outros usos, o que chama-se de tecnologia dual. Por isso a necessidade de reconhecer a importância estratégica da Defesa e Segurança para o país por meio de iniciativas alinhadas e coordenadas. A avaliação é dos participantes do painel Desafios e Perspectivas para a Base Industrial de Defesa, que encerrou a programação do primeiro dia da SC Expo Defense, na FIESC.
 
“Os ecossistemas de inovação fortes em todo mundo surgiram a partir de demandas do setor de defesa. Israel, EUA, Taiwan são exemplos históricos. Mais da metade do orçamento do MIT vem de projetos de defesa”, destacou José Eduardo Fiates, diretor de Inovação e Competitividade da Federação das Indústrias de SC (FIESC).
 
Para o general Aderico Mattioli, presidente executivo da ABIMDE, o Brasil está entre as 10 melhores capacidades de defesa e segurança do mundo. Mas a falta de previsibilidade de recursos, a desarticulação e falta de alinhamento de projetos e políticas públicas para o segmento é um entrave relevante para o desenvolvimento da BID. “É uma situação cultural, não de um ou outro governo. Sem alinhamento entre as políticas públicas, previsibilidade do orçamento, isonomia tributária entre o produto nacional e o internacional, não vamos sair do lugar”, destacou. 
 
A necessidade de foco e de sinergia é corroborada pelo general Luis Antonio Duizit de Brito, diretor de relações institucionais do SIMDE. “Para que o Brasil suba de patamar no desenvolvimento de novas tecnologias, unindo governo e iniciativa privada, precisamos unir forças”, afirmou.
 
Outro gargalo para o desenvolvimento ainda maior da base industrial de defesa é aproximar a área de defesa da academia, para que os profissionais  que formamos tenhamos bons empregos. A avaliação é do presidente da Fapesc, Fábio Wagner Pinto. “Pecisamos pensar em como atrair e incentivar que nossos talentos fiquem na indústria de defesa. Pensar em incentivos para a fixação dessas pessoas, com uma perspectiva de carreira e evitar que migrem para o exterior”, destacou.
 
Perspectivas
 
A adesão do Brasil ao DEFARS, documento de regulação e compliance norte-americano que estipula regras para o fornecimento de materiais para as forças armadas e demais órgãos vinculados ao Departamento de Defesa dos EUA, pode ser um divisor de águas para o segmento no Brasil.
 
O governo brasileiro está avaliando os detalhes para assinatura do documento, que vai viabilizar a inclusão do Brasil como DEFARS Qualifying Country, o que permitiria a exportação de produtos e serviços brasileiros para o maior mercado de defesa do mundo e também para os demais países da OTAN e aliados dos Estados Unidos.
 
Para o presidente da Câmara Setorial de Defesa da ABIMAQ, João Eduardo Dmitruko, a assinatura do DEFARS é uma boa notícia, mas poderia vir acompanhada de outras medidas para potencializar o desenvolvimento do setor. “Precisamos de mais empresas estratégicas de defesa (EED) e de defesa (ED) credenciadas, um centro de catalogação de produtos unificado e mais célere, dinâmico. Também precisamos de mais participação da BID nas compras das Forças Armadas”, afirmou.
 
Fonte: Fiesc 

JORNAL IMPRESSO
21/06/2024
14/06/2024
07/06/2024
31/05/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS