quinta, 18 de abril de 2024
Política
28/03/2024 | 10:03

COLUNA DO PRISCO PARAÍSO: Presença emblemática

Presença emblemática

Uma proposta para reduzir a dívida pública dos estados com a União foi apresentada ontem, em Brasília, pelos governadores que integram o Consórcio de Integração Sul e Sudeste, o Cosud.
O encontro ocorreu com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Estavam presentes os governadores de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, portanto, os quatro do Sudeste, bem como dois dos três do Sul: Ratinho Júnior, do Paraná; e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul.
O único ausente foi Jorginho Mello, que mandou a vice-governadora Marilisa Boehm para representá-lo, acompanhada do Secretário da Fazenda, Cleverson Siewert. Na discussão, havia a expectativa de que Estados e União pudessem chegar a um entendimento.
Até mesmo para que os estados tenham um alívio financeiro.

Ausência estratégica

Não foi coincidência a ausência de Jorginho Mello. Nas últimas reuniões do consórcio, ele tem enviado a vice-governadora em seu lugar. O distanciamento de Jorginho em relação ao grupo de governadores ganhou certa relevância quando todos sustentaram a tese da elevação dos impostos.

Diferença

E qual foi o único Estado que não aderiu a esse movimento, especialmente liderado pelo Paraná e por São Paulo? Santa Catarina.

Na veia

Por isso, Jorginho Mello foi homenageado pela Confederação das Federações Empresariais (Cofem) na virada do ano, em reconhecimento ao fato de ter se mantido firme em relação ao discurso assumido na campanha contra qualquer aumento de impostos.

Sem foto

Outras duas reuniões foram realizadas e Jorginho Mello também não compareceu. O que se observa claramente é que ele procura evitar qualquer contato com representantes do governo Lula.

Agenda

Houve um evento no Palácio do Planalto, com a presença do presidente da República, para encaminhamentos relacionados a obras de infraestrutura. O escalado para representar o governo catarinense foi o secretário Jerry Comper.

Taxhadd

Dessa vez, ele também não compareceu ao encontro com o ministro Fernando Haddad, que foi o candidato do PT derrotado por Jair Bolsonaro em 2018. Ou seja, ele se mantém distante de maneira absoluta, evitando encontros com titulares da Esplanada sob Lula III. Isso porque o estado catarinense é essencialmente conservador e potencialmente bolsonarista.

Cabo eleitoral

E Jorginho Mello, enquanto senador, sabe que sua eleição vitoriosa contou significativamente com a transferência de votos de Bolsonaro, pelo PSL, na sua candidatura lá em 2018. E Bolsonaro também foi fundamental para a eleição de Jorginho ao Governo do Estado em 2022.

Mantra

Ou seja, manter uma distância regulamentar do governo federal é o lema de Jorginho Mello. Evidentemente, sem provocar prejuízos administrativos e financeiros ao Estado, na medida em que seus representantes estão lá em nome de Santa Catarina.

Fora dessa

Mas ele, particularmente, quer distância de Lula da Silva, de Geraldo Alckmin e dos ministros do governo federal.


JORNAL IMPRESSO
12/04/2024
05/04/2024
29/03/2024
22/03/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS