segunda, 04 de março de 2024
Geral
07/02/2024 | 14:33

La Niña ou Neutralidade Climática? O que virá após o forte El Niño

O El Niño, fenômeno natural que contribuiu para que 2023 fosse o ano mais quente já registrado em todo o mundo, provocando desastres naturais durante todo o período no Brasil, segue em ação e encontra-se em seu pico. Mas as projeções apontam que o fenômeno deve perder força a partir do segundo semestre e pode ceder lugar à La Niña, invertendo o panorama atual do clima. Caso o fenômeno se confirme, pode-se esperar irregularidade nas chuvas sobre as regiões Sul e Sudeste. Vale ressaltar que as projeções climáticas ainda apontam para a possibilidade de um período de Neutralidade Climática, de acordo coma Climatempo, a maior e mais reconhecida empresa de consultoria meteorológica e previsão do tempo do Brasil e da América Latina.
 
Um dos indicadores que apontam para uma possível La Niña no segundo semestre é o rápido resfriamento por qual passa o Oceano Pacífico, uma marcador que sinaliza a não ocorrência de um período intermitente de neutralidade, que costuma acontecer entre os fenômenos El Niño e La Niña. Isso já ocorreu durante os El Niños de 1997/1998 e 2015/2016, tão intensos quanto o que estamos passando, e que, logo em sequência, foram substituídos pelo fenômeno La Niña. 
 
“As mudanças climáticas estão cada vez mais intensas, e os períodos de neutralidade entre os fenômenos estão ficando cada vez mais raros, indicando uma forte mudança no comportamento padrão do clima”, afirma Willians Bini, meteorologista e Head da Climatempo. “Vimos três anos consecutivos de La Niña, entre 2020 e 2022, algo extremamente raro de acontecer, e enfrentamos um El Niño que causou estragos e fez de 2023 o ano mais quente de todos os tempos. Quando se pensava que uma calmaria poderia suceder, as projeções começam a indicar que podemos ter uma La Niña pela frente, embora ainda não esteja totalmente descartada a possibilidade de termos um período de neutralidade no segundo semestre”, observa Bini. 
 
Efeitos no Brasil
Caso a La Niña realmente ocorra a partir do segundo semestre de 2024, o Sul e o Sudeste brasileiros passarão a ter menos chuvas, diminuindo os riscos de desastres naturais como enchentes e deslizamentos. Em contrapartida, a falta de chuvas deve impactar o setor de energia, com a redução do nível dos reservatórios na região Sudeste, enquanto a previsão de mais frio pode impactar o agronegócio no Sul. 
 
“Tanto no Sul quanto no Sudeste, menos chuvas e frio mais intenso são fatores que prejudicam a produção agrícola. A La Niña também acende a luz amarela para os reservatórios, cujos níveis devem cair, afetando a produção de energia e bolso do consumidor, ao provocar aumento na conta de luz”, avalia Bini.
 
De acordo com o meteorologista e Head da Climatempo, há setores da economia que poderão se beneficiar dos efeitos de uma possível La Niña, como o varejo, especialmente no período de inverno, impulsionando a venda de roupas, alimentos, bebidas e entre outros produtos relacionados ao frio. 
 
“Seja com El Niño, La Niña ou diante das mudanças climáticas, contar com análises meteorológicas aprofundadas, inclusive para microrregiões, pode significar a diferença entre uma estratégia de negócios bem-sucedida e o encalhe ou falta de determinado produto na prateleira do supermercado”, ressalta Bini. “Nosso trabalho principal consiste em acrescentar informações e análises sobre o comportamento do clima que ajudem as empresas a se planejarem melhor e a gerar insights para transformar riscos em oportunidades”, completa. 
 
 
Sobre a Climatempo
A Climatempo é a maior e mais reconhecida empresa de consultoria meteorológica e previsão do tempo do Brasil e da América Latina. Desenvolve serviços de análises e previsões climáticas para empresas e instituições da área pública e privada, com serviços especializados que atendem mais de 22 setores de atividades, como energia, mineração, agronegócio e logística, entre outros. Para o público em geral, fornece informações sobre o clima por meio do seu website e aplicativos, e boletins com previsão do tempo para diversos veículos de comunicação. Juntos, esses canais somam 20 milhões de usuários mensalmente.
 
Comprometida com a inovação, foi a primeira empresa privada a oferecer análises climáticas customizadas no mercado brasileiro e, em 2015, instalou o LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), para atuar na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Fundada em 1988, a Climatempo foi adquirida, em 2019, pela StormGeo, empresa líder global em serviços de inteligência meteorológica e suporte à decisão, sediada na Noruega, com presença em 15 países e 515 funcionários, e que, desde 2021, integra o grupo Alfa Laval, líder global no fornecimento de produtos nas áreas de transferência de calor, separação e manuseio de fluidos. 

JORNAL IMPRESSO
01/03/2024
23/02/2024
16/02/2024
09/02/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS