domingo, 16 de junho de 2024
Economia
14/09/2023 | 16:40

SC exporta US$ 1,1 bilhão em agosto

No oitavo mês do ano, as exportações catarinenses alcançaram US$ 1,1 bilhão, queda de 10,6%, em relação ao mesmo período de 2022, quando o estado havia atingido seu maior montante mensal exportado na série histórica. Segundo análise do Observatório FIESC, além da base de comparação elevada, o desempenho na análise interanual também está associado à desaceleração da atividade econômica mundial, em especial da China. 
 
O país asiático, segundo maior comprador de produtos de Santa Catarina, registrou seu quinto mês de contração consecutiva na atividade industrial em agosto, o que afeta diretamente o consumo no comércio externo. "Se não houvesse a desaceleração no mercado asiático, Santa Catarina poderia ter registrado um desempenho ainda melhor nas exportações. O resultado no mês foi o quinto maior da série histórica e o segundo maior para um mês de agosto", afirma o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar.
 
Além da China, as exportações para os Estados Unidos também seguiram em trajetória de queda no mês. Diante do recuo da atividade industrial no país norte-americano, em agosto, houve diminuição na demanda por motores elétricos, partes de motor e partes e acessórios para veículos.
 
Outro país que apresentou recuo nas exportações foi o Japão, principal comprador de carnes de aves, que havia suspendido, até meados de agosto, suas importações de Santa Catarina, após a confirmação de um caso de gripe aviária no estado. No entanto, os produtos foram deslocados para o Oriente Médio, sem prejuízo ao volume das vendas externas.
 
Para amenizar a diminuição das vendas para importantes parceiros comerciais, as empresas catarinenses têm diversificado os destinos de suas exportações, com destaque para países do Oriente Médio.
 
“A região se destaca na compra de tabaco não-manufaturado, compressores de ar e preparações e conservas de carnes e miudezas. No Oriente Médio, o faturamento saltou de US$ 65,2 milhões em 2022 para US$ 94,3 milhões em agosto deste ano”, ressalta Marcelo de Albuquerque, economista do Observatório FIESC.
 
O principal comprador de Santa Catarina no mês foram os EUA, com participação de 15,1% do montante comercializado. O México passou a comprar carne suína do estado, totalizando US$ 10,5 milhões em agosto. Com isso, tornou-se o 4º maior consumidor de produtos catarinenses. O país também ampliou em 62,7% as compras de partes de motor, em comparação ao mesmo período do ano passado.
 
Crescimento nas importações
 
Em agosto, Santa Catarina importou um montante de US$ 2,6 bilhões em mercadorias. O valor representa um crescimento de 2,4% em relação ao mês anterior, mas teve queda de 6,1% na análise interanual.
 
No mês, o preço médio das importações catarinenses caiu 1,8%, reflexo da  continuidade do processo de desinflação global, observado a partir do segundo semestre de 2022. Esse movimento impulsionou a melhoria no fornecimento internacional de fertilizantes, importante insumo do agronegócio brasileiro, que teve o preço reduzido em cerca de 2/3 neste ano.
 
Outros insumos também foram impactados, como os compostos químicos, com destaques para os polímeros, carbonatos e reagentes de laboratório, além de produtos em metal, particularmente artigos em ferro ou aço.
 
Na análise mensal, as importações de carros elétricos atingiram o valor recorde na série histórica, alcançando US$ 32,5 milhões. Eletrodomésticos, como refrigeradores, fogões, máquinas de lavar e secadoras também apresentaram crescimento na pauta importadora.

JORNAL IMPRESSO
14/06/2024
07/06/2024
31/05/2024
24/05/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS