quinta, 25 de fevereiro de 2021
GERAL
23/01/2021 | 11:01

Governo Municipal de Penha decreta suspensão do reajuste da coleta de lixo

O Governo Municipal de Penha decretou na quinta-feira, 21 de janeiro, a suspensão do reajuste da tarifa da coleta de lixo praticada pela concessionária Recicle Catarinense de Resíduos, empresa que explora o serviço no Município, e que havia deliberado por uma majoração de 22,10% nestas mesmas tarifas. 
 
A decisão veio do prefeito Aquiles da Costa, levando em conta o atual cenário de crise econômica no País e no mundo, agravados pelo estado e calamidade pública em razão da pandemia de Covid-19 e que resultou em drásticas quedas de receita pelo Estado e também dificuldades econômicas à população em geral.  
 
Mas os motivos não foram só a questão da pandemia. O Governo Municipal também considerou que embora a Recicle tenha se baseado pelo cálculo referente ao acumulado pelo IGP-DI referente a novembro de 2019 até outubro de 2020, o serviço prestado pela concessionária não deveria estar necessariamente vinculado a esse índice. 
 
O prefeito Aquiles apontou ainda o atual contrato entre concessionária e Município, estabelecido em 2007, já vigora há 13 anos, e de lá para cá, a condição econômica do País sofreu severas alterações, e esses índices deveriam estar ajustados à ?realidade atual do cenário econômico? do Brasil.
 
A Controladoria Municipal de Penha notificou, na semana passada, a concessionária, solicitando o cancelamento do reajuste, mas em notificação extrajudicial de resposta, a empresa manteve a disposição de reajustar o contrato, mesmo em meio à pandemia. 
 
O Governo Municipal, porém, determinou ainda que além da suspensão, eventuais carnês de cobrança emitidos sejam recolhidos e corrigidos, passando a vigorar novos índices, sem o reajuste. ?A Recicle deve compensar as quantias já pagas?, pontua o controlador Luiz Eduardo Bueno, ?caso o decreto seja mantido, pois já sabemos que a concessionária poderá recorrer judicialmente, como tem ocorrido em outras cidades?. 
 
Os contribuintes podem seguir pagando os carnês, mas deverão, nos próximos meses, exigir o devido desconto dos valores irregulares, a depender do posicionamento final da Justiça. Já a Controladoria de Penha encaminhou questionamentos à agência reguladora ARIS os motivos de adoção do índice IGP-DI e não o IPCA, e aguarda o posicionamento da agência.
 
Foto: Ilustrativa.
Compartilhar
JORNAL