domingo, 05 de abril de 2020
20/02/2020 - 10:11

Univali apresenta sistema de monitoramento da movimentação do solo

Projeto piloto deve ser implementado na região

Um projeto transdisciplinar da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) pode auxiliar municípios e regiões a detectarem, por meio de um sistema inteligente, movimentações de solo atípicas com indicação de áreas com riscos de deslizamentos. A proposta foi apresentada à Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú, no início de fevereiro, com objetivo de viabilizar uma futura captação de recursos derivados de termos de ajustamento de conduta (TAC).

O mapa da população exposta em áreas de risco do IBGE, de 2018, indica que, na região Sul, há 3.042 áreas de risco. Santa Catarina destaca-se com 2.835 áreas, ou seja, 93,19% das áreas da região Sul e 10,99% das áreas do Brasil. Não há registros de sistemas desenvolvidos especificamente para o monitoramento de áreas sensíveis a deslizamentos de solos, no Estado. Isto dificulta o trabalho de prevenção e alerta à população. Essa situação motivou a Univali a pesquisar e desenvolver o Sistema Inteligente para o Monitoramento de Movimentos do Solo (Simms), que é capaz de correlacionar dados de movimentação da área monitorada, informações ambientais e meteorológicas da região.

O Simms realiza a telemetria de áreas sensíveis a movimentos dos solos, obtendo dados por meio de acelerômetros eletrônicos. A análise destes dados pode ser empregada no planejamento urbano e na tomada de decisões, tais como: determinação das áreas mais adequadas para expansão urbana; classificação de áreas de risco ou elaboração de rotas de fuga durante eventos adversos.

O projeto é conduzido pelo Laboratório de Geologia e Sedimentologia da Univali, coordenado pelo professor Júlio César Leão, em parceria com o Laboratório de Redes de Computadores, com a participação dos professores Fabrício Bortoluzzi e Paulo Roberto Oliveira Valim. Os laboratórios são vinculados à Escola do Mar, Ciência e Tecnologia da Univali e a iniciativa envolve os cursos de Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e Ciência da Computação.

Os professores alertam que apesar de existirem programas governamentais para conter as inundações e a reorganização urbana, com o passar dos anos, áreas de risco foram ocupadas, o que causou um problema ainda maior. ?Os eventos e todo o contexto recente apontam a urgência de investimentos e de melhorias. O monitoramento ambiental é uma ferramenta indispensável na quantificação de parâmetros e no acompanhamento de séries históricas de eventos extremos. Ele serve como sistema de alerta para a defesa civil e a comunidade", pondera Julio Leão.

A Univali possui parceria neste projeto com o Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres de Santa Catarina (Cigerd) e também com a Defesa Civil de Balneário Camboriú. Porém, a implantação do projeto piloto com recursos dos TAC ainda está em discussão e alinhamento.

Recursos e vantagens do sistema

O sistema, desenvolvido pelo grupo da Universidade, gera histórico de dados e permite o envio destes dados a um banco de dados online. O Simms também possui telemetria em tempo real e geração de alertas destinadas aos órgãos competentes, além de ter total autonomia no fornecimento de energia elétrica e correlação dos dados com outros parâmetros ambientais. O sistema garante ainda segurança na aquisição dos dados, é de fácil operação, passível de instalação em ambientes remotos, dispõe de comunicação sem fio com outros dispositivos. O investimento para sua implementação é relativamente baixo e tem uma base de dados flexibilizada e compatível com outros sistemas de informação.

Quinta, 02 de abril de 2020
Marinheiro Solidário - Faça parte!
anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros