domingo, 16 de fevereiro de 2020
09/01/2020 - 10:25

Mastro de São Sebastião repete em Penha tradição de mais de 200 anos no próximo domingo

O ritual religioso considerado o mais antigo do Vale do Itajaí ? com tradição superior a 200 anos ? retorna mas uma vez junto aos devotos católicos de Penha. Neste próximo domingo, dia 12 de janeiro, o ?Mastro de São Sebastião? percorre as ruas de Armação do Itapocoróy, em Penha, em direção à Capela São João Batista, outra referência histórica do catolicismo, com 260 anos de fundação.

O ponto de partida dos devotos será a tradicional Praça do Baiano, também em Armação do Itapocoróy, a partida das 16h, reunindo também foliões do Divino Espírito Santo, com cantorias, homenagens e presença dos promesseiros, que são os responsáveis por içar a bandeira de São Sebastião ? composta por flores e folhagens ? ao seu mastro.

Na praça, os participantes entoam músicas católicas e começam a enfeitar o tronco que é selecionado para se transformar no chamado ?mastro?. De acordo com o diretor de Cultura da Prefeitura de Penha, professor Eduardo Bajara, a devota Ana Malburg será a promesseira deste ano.

Toda essa preparação é para garantir o ritual, que ocorre há cerca de 200 anos, a cada janeiro, para homenagear São Sebastião, lembrado no dia 20 deste mês ? o entendimento dos devotos é que a decoração do mastro deve ocorrer sempre num domingo anterior ao dia do santo.

Em Santa Catarina, o ritual ocorre somente em Penha, e segundo Bajara, têm sua origem entre vicentistas, inicialmente em São Francisco do Sul, onde a tradição se perdeu. ?Depois, a crença veio para Penha, e é a mais antiga do litoral norte?, observa o professor.

Além de flores e folhagens repassados pelos devotos, os promesseiros ficam responsáveis por servir broas de coco e consertada ? bebida à base de cachaça, típica de Penha ? e especiarias. Em seguida, o mastro é levado em procissão à igreja, ao som de cantos, rezas e foguetório, na chamada ?Puxada do Mastro". O evento é aberto a toda comunidade.

Patrimônio imaterial

O jornalista  escritor Vilmar Carneiro lembra que em 2018, essa tradição de herança católica foi elevada à categoria de ?Patrimônio de Natureza Imaterial de Penha?, pela Câmara de Vereadores. O tronco, em média, tem 10 a 12 metros, e é fincado na Praça São Pedro, em frente à Capela São João Batista, considerada marco zero de Penha. Na ponta, é fixada a bandeira com a imagem do santo.

?A intenção é avisar a todos que avistem o mastro que no dia 20 de janeiro é dia de São Sebastião?, detalha Bajara. Após a fixação, há aplausos por parte dos devotos. Outra tradição é a produção da consertada duas semanas antes, para que a bebida seja servida durante o ritual. Ainda segundo Vilmar Carneiro, tradição antiga em Penha garante que flores retiradas do mastro são garantia de um casamento feliz. 

Sexta, 14 de fevereiro de 2020
Porto Belo terá cinco noites de Carnaval
anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros