quarta, 23 de outubro de 2019
24/06/2019 - 09:45

Câmara de Itajaí realiza audiência pública e oferece gratuitamente a palestra "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor"

Além da palestra, audiência pública apresentará projeto de lei para instituir campanha permanente sobe a conscientização dos relacionamentos abusivos no Município de Itajaí. Proposta de política pública é do vereador Edson Lapa.

Na quarta-feira (26), às 19h30, a Câmara de Vereadores de Itajaí será palco da palestra (gratuita) "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor", com a terapeuta Camila Custódio, dentro da audiência pública para discutir o tema e propor à sociedade projeto de lei para instituir campanha permanente sobre a conscientização dos relacionamentos abusivos no Município de Itajaí. A iniciativa é do vereador Edson Lapa. O evento é gratuito, aberto ao público, e atende um dos critérios para a aprovação de leis que instituem datas comemorativas; haverá ata e consulta pública sobre o tema.


A audiência pública e o projeto de lei
Ao elaborar o Projeto de Lei nº 136/2019 e propor a audiência pública, o vereador Edson Lapa pretende fomentar o debate. "É preciso conscientizar e alertar a todos, mas principalmente as mulheres sobre as diferentes formas de violência que não são habitualmente consideradas como agressões, mas que caracterizam o relacionamento abusivo, além de incentivar as vítimas a denunciarem esses tipos de situações", disse o parlamentar.

Se virar lei, ficará incluída no calendário do Município de Itajaí a "Semana de Conscientização dos relacionamentos abusivos", a ser realizada todos os anos no mês de junho, dedicada à realização de ações educativas para a conscientização dos relacionamentos saudáveis, promovendo a reflexão, e fomentando o debate sobre os relacionamentos abusivos e seus reflexos para os envolvidos, suas famílias e para a sociedade

A palestra "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor"


Formada na Escola da Inteligência Emocional do renomado escritor e psiquiatra Dr. Augusto Cury, a terapeuta Camila Custódio - que será a palestrante da audiência pública - afirma que é preciso propor a reflexão sobre relacionamentos para identificar e desmitificar crenças e conceitos. "A nossa sociedade romantiza o abuso travestido de amor. Se não temos referências do que é um relacionamento saudável em nosso ambiente familiar ou de amigos, buscamos na cultura, que também transmite o conceito de demonstração de amor nos relacionamentos de maneira errada", comentou.
  
O tema relacionamentos abusivos
Nos últimos anos, o termo relacionamento abusivo ganhou grande visibilidade. Trata-se de condutas de dominação sobre o outro que podem causar danos, tanto psicológicos quanto físicos. Quem enfrenta a situação, normalmente tem dificuldade em notar os primeiros sinais de abusos porque muitos deles são considerados normais na sociedade. Relacionamentos abusivos não se aplicam somente a casais; amizades e relações familiares também podem ser abusivas.

Casos de relacionamento abusivo são mais frequentes em jovens
Segundo a pesquisa "Visível e Invisível 2019", do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 42% das mulheres entre 16 e 24 anos sofreram violência em 2018 no Brasil. "Se as mulheres já estão sujeitas ao controle e à dominação, o perigo é ainda maior para as jovens e adolescentes porque elas estão iniciando essa fase da vida e não sabem como identificar as condutas abusivas", defende Valéria Scarance, promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo. "Elas cedem mais rapidamente a um relacionamento abusivo por conta da idade e inexperiência", completa.
Oferecido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) registrou 58.815 denúncias de violência física, moral e psicológica.

Violência contra mulher não é só física; conheça outros 10 tipos de abuso
Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) é a principal legislação brasileira para a enfrentar a violência contra a mulher. A norma é reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência de gênero. Além da Lei Maria da Penha, a Lei do Feminicídio, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em 2015, colocou a morte de mulheres no rol de crimes hediondos e diminuiu a tolerância nesses caso.

Mas o que poucos sabem é que a violência vai muito além da agressão física ou do estupro.  A Lei Maria da Penha classifica os tipos de abuso contra a mulher nas seguintes categorias: violência patrimonial, violência sexual, violência física, violência moral e violência psicológica.

Conheça algumas formas de agressões, violências, abusos:

1: Humilhar, xingar e diminuir a autoestima
Agressões como humilhação, desvalorização moral ou deboche público em relação a mulher constam como tipos de violência emocional.

2: Tirar a liberdade de crença
Um homem não pode restringir a ação, a decisão ou a crença de uma mulher. Isso também é considerado como uma forma de violência psicológica.

3: Fazer a mulher achar que está ficando louca
Há inclusive um nome para isso: o gaslighting. Uma forma de abuso mental que consiste em distorcer os fatos e omitir situações para deixar a vítima em dúvida sobre a sua memória e sanidade.

4: Controlar e oprimir a mulher
Aqui o que conta é o comportamento obsessivo do homem sobre a mulher, como querer controlar o que ela faz, não deixá-la sair, isolar sua família e amigos ou procurar mensagens no celular ou e-mail.

5: Expor a vida íntima
Falar sobre a vida do casal para outros é considerado uma forma de violência moral, como por exemplo vazar fotos íntimas nas redes sociais como forma de vingança.

6: Atirar objetos, sacudir e apertar os braços
Nem toda violência física é o espancamento. São considerados também como abuso físico a tentativa de arremessar objetos, com a intenção de machucar, sacudir e segurar com força uma mulher.

7: Forçar atos sexuais desconfortáveis
Não é só forçar o sexo que consta como violência sexual. Obrigar a mulher a fazer atos sexuais que causam desconforto ou repulsa, como a realização de fetiches, também é violência.

8: Impedir a mulher de prevenir a gravidez ou obrigá-la a abortar
O ato de impedir uma mulher de usar métodos contraceptivos, como a pílula do dia seguinte ou o anticoncepcional, é considerado uma prática da violência sexual. Da mesma forma, obrigar uma mulher a abortar também é outra forma de abuso.

9: Controlar o dinheiro ou reter documentos
Se o homem tenta controlar, guardar ou tirar o dinheiro de uma mulher contra a sua vontade, assim como guardar documentos pessoais da mulher, isso é considerado uma forma de violência patrimonial.

10: Quebrar objetos da mulher
Outra forma de violência ao patrimônio da mulher é causar danos de propósito a objetos dela, ou objetos que ela goste.

Fonte:
Portal Brasil.

anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros