terça, 17 de setembro de 2019
17/05/2019 - 16:12

Encontro nacional do Bandeira Azul proporciona troca de experiência

Troca de experiência entre gestores de praias e marinas certificadas pelo Bandeira Azul e candidatas à certificação do programa marcou o primeiro dia 12º Workshop Anual do Programa Bandeira Azul, que ocorre em Balneário Camboriú.

Nesta quarta-feira (16), as atividades do evento nacional foram desenvolvidas no Hotel Mercure. Participam representantes de cidades de diferentes regiões do Brasil. Nesta sexta-feira (17), quando o workshop termina, serão feitas visitas, a partir das 9h, às praias do Estaleiro e Estaleirinho e à Marina Tedesco, certificadas pelo Bandeira Azul para a temporada 2018/2019.

?A escolha por Balneário Camboriú como sede foi conjunta, nossa com o município. Nada mais justo a cidade sediar, já que teve duas praias certificadas na temporada passada. Como é um encontro de trabalho, houve muita troca de experiência entre as praias certificadas e as que estão trabalhando para isso?, diz a coordenadora nacional do programa, Leana Bernardi.

No dia 24, termina o prazo para a entrega de documentação para solicitar a renovação do certificado, caso em que se enquadram as praias do Estaleiro e Estaleirinho. Porém, o resultado só será conhecido em outubro. De acordo com o secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd, além de buscar a renovação da certificação das duas praias, o Município irá inscrever mais três praias na fase piloto do programa, além da de Taquaras, que já está inscrita na fase piloto desde 2018. ?O workshop só fortalece o trabalho feito em Balneário Camboriú. Somos a cidade que mais tem praia Bandeira Azul?, comenta o secretário.

Segundo Gevaerd, a Secretaria do Meio Ambiente, em parceria com a Secretaria da Educação, tentará implantar em escolas o programa internacional Eco-Escolas. Esse programa de gestão ambiental, que foi apresentado no encontro, é executado por alunos em conjunto com professores e visa envolver toda a comunidade escolar em questões ambientais. ?O primeiro passo é o município aderir e indicar escolas?, explica o coordenador do programa Eco-Escolas no Brasil, Ricardo Oehling.

Cada representante pôde contribuir contando como funciona o Bandeira Azul em suas cidades. Gestora social da Fundação Baía Viva, Adriana Alencar é uma das participantes do evento. A fundação faz a gestão da praia Ponta de Nossa Senhora de Guadalupe, localizada na Ilha dos Frades, na Bahia. A praia é Bandeira Azul pelo terceiro ano e o ano inteiro, não só na alta temporada. A fundação foi criada por um grupo de empresários que se uniu com o objetivo de fomentar o turismo sustentável. ?É preciso ter o poder público aliado ao setor privado porque são muitos critérios do Bandeira Azul para serem cumpridos, para as coisas acontecerem em uma velocidade maior. Todos têm que pensar em sustentabilidade?, ressalta.

Única praia do Brasil Bandeira Azul por nove anos consecutivos, a Praia do Tombo, no Guarujá (SP), esteve representada pela diretora de Sustentabilidade da Secretaria de Meio Ambiente de Guarujá (SP) e gestora da Praia do Tombo, Stephanie França. A praia é a única do estado de São Paulo com a certificação. ?Tivemos a parceria de todos os setores da prefeitura, da sociedade civil e de empresas privadas, que dão apoio quando o poder público não tem verba?, contou.

A Bandeira Azul foi hasteada no Estaleiro e Estaleirinho em dezembro de 2018 e recolhida em 21 de abril, com o término da temporada. O selo internacional é concedido a praias e marinas que atenderam a uma lista de critérios ligados a questões ambientais e qualidade da água. No Brasil, foram condecoradas nove praias (seis em Santa Catarina), cinco marinas (duas em Santa Catarina) e uma embarcação de turismo sustentável (em Florianópolis).

Sobre o Programa*

O Programa Bandeira Azul foi criado pela Foundation for Environmental Education (FEE), uma instituição internacional com integrantes representando seus respectivos países. No Brasil, o Operador Nacional do Programa é o Instituto Ambientes em Rede (IAR).

As praias, marinas e embarcações inscritas no Programa comprometem-se com o cumprimento de critérios propostos. Para ser certificada, a praia/marina/embarcação deve ser inicialmente aceita pelo Operador Nacional, recomendada pelo Júri Nacional e aprovada pelo Júri Internacional.

O Júri Internacional é composto pela Foundation for Environmental Education (FEE), World Conservation Union (IUCN), European Union for Coastal Conservation (EUCC), United Nations Environmental Program (UNEP), World Tourism Organization (WTO), World Health Organization (WHO), International Life Saving (ILS), International Council of Marine Industry (ICOMIA) e Reef Check Program.

*Fonte: www.bandeiraazul.org.br

Segunda, 16 de setembro de 2019
Casa pega fogo em Garuva
Segunda, 16 de setembro de 2019
IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros