sexta, 19 de abril de 2019
06/02/2019 - 16:36

Em busca de novos acordos

Jos Zeferino Pedrozo

Presidente da Federao da Agricultura e Pecuria doEstado de SC (Faesc)

e do Conselho de Administrao do Servio Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC)

No basta ter bons produtos e preos competitivos. Para ter sucesso e crescimento sustentado no mercado internacional preciso estratgias consistentes e alianas slidas. O episdio da suspenso de importao da carne de aves de algumas indstrias brasileiras anunciada pela Arbia Saudita traz tona essa reflexo nesse momento em que nos preparamos para a superao da crise. Os tempos so de esperana, mas no ainda de conquistas. Leitura atual, no curto prazo, aponta para um cenrio de lenta retomada da atividade econmica, acmulo de 13 milhes de desempregados e, ainda, alguma incerteza no quadro poltico. No longo prazo evidente que haver transformaes na estrutura de demanda, aumento da concorrncia externa e desenvolvimento tecnolgico em pases emergentes.

A Confederao da Agricultura e Pecuria do Brasil (CNA), de cuja diretoria fao parte, produziu denso documento sobre esse e outros temas relacionados economia e ao agronegcio, cujo teor foi entregue, na campanha eleitoral, a todos os candidatos Presidncia da Repblica. O setor primrio da economia nacional transformou-se de forma significativa nas ltimas dcadas, impulsionado pelas exportaes. As grandes cadeias produtivas e os organismos de apoio exportao levaram dcadas para obter esses resultados. Apesar da vocao exportadora, o agronegcio brasileiro enfrenta, de tempos em tempos, novos desafios e novas ameaas. preciso reconhecer que o Brasil no um pas totalmente aberto ao mercado externo. Por outro lado, porm, o protecionismo e o nacionalismo ganham fora e o mercado mundial est longe de estar plenamente aberto aos produtos brasileiros.

O Brasil responde h dcadas por pouco mais de 1% do comrcio planetrio e nunca superou essa barreira. Nessa complexa contextura, para enfrentar esses desafios, e com o objetivo de aumentar a integrao e a competitividade do Agro brasileiro no mundo, a CNA definiu as aes prioritrias para o setor no mbito do comrcio internacional.

preciso estabelecer parcerias estratgicas e posicionar o Agro como um ativo do Brasil nas suas relaes com o mundo. O Brasil precisa de viso estratgica para diversificar exportaes para a China, protagonista do mercado mundial. Sugere-se estabelecer acordo de facilitao de comrcio para eliminar entraves burocrticos entre os dois pases. necessrio ampliar a cooperao tambm com os Estados Unidos, incluindo maior coerncia e convergncia regulatria. imperioso promover uma nova dinmica para o Mercosul, com nfase a uma maior integrao do bloco com parceiros externos, principalmente com a Aliana do Pacfico (AP) formada por Chile, Peru, Colmbia e Mxico. Existe um grande potencial de ganhos ao se desenvolver uma estratgia que combine integrao global e regional, explorando as complementaridades entre os blocos, e que aumente a capacidade de alcanar mercados extrarregionais.

Os investidores e empreendedores pedem maior integrao dos mercados de capitais, infraestrutura e logstica com a Aliana do Pacfico, e a reduo dos altos custos de comrcio por meio da harmonizao dos processos de importao, exportao e trnsito aduaneiro. A ideia central desenvolver uma estratgia coerente de insero internacional com estudos de impacto que avaliem perdas e ganhos para os setores. O posicionamento brasileiro deve ser elaborado tambm com a contribuio do setor privado.

O Ministrio das Relaes Exteriores, a indstria e o agronegcio buscam acelerar a integrao do Brasil com o mercado mundial, via ampliao e celebrao de novos acordos de livre comrcio.

anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros