terça, 13 de novembro de 2018
18/10/2018 - 13:54

“Ensaio para algo que não sabemos” traz espetáculo e oficina para Balneário Camboriú

O projeto acontece dias 22 e 23 de outubro no Teatro Municipal Bruno Nitz. Inscrições para a Oficina Sobrecorpos encerram nesta quinta (18). Programação gratuita.

Assumir que o processo caminha à medida que os corpos reconhecem as cicatrizes, marcas ancestrais ou há pouco reveladas na carne, também os gestos. Assim as artistas Dani Alves e Karina Collaço conduzem o projeto "ensaio para algo que não sabemos - Protótipo 2: encher-se de buracos", em cartaz no Teatro Municipal Bruno Nitz, nos dias 22 e 23 de outubro, em Balneário Camboriú. Performance joga luz ao princípio da incerteza, como dispositivo disruptivo de criação, tão comum sentimento aos corpos humanos.

OFICINA SOBRECORPOS, ministrada por Daniela Alves e Karina Collaço, trata-se de um laboratório de criação em dança contemporânea o qual permeia princípios investigativos que dialogam com o processo criativo do projeto ensaio para algo que não sabemos.

Como deixar o corpo a serviço da experimentação? Como deixar ser estimulado pelo movimento do outro? Compor, contrapor, transpor. Acumular significados. Permitir-se ser observado, contaminado, atravessado. Organizar-se, respirar, familiarizar-se com o seu corpo, perceber qualidades, imagens, texturas e ritmos para aproximar-se de uma experiência que permita a (re)descoberta de uma mobilidade singular e autônoma. 

O projeto "Ensaio para algo que não sabemos - Protótipo 2: encher-se de buracos" tem apoio do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Fundação Catarinense de Cultura, Funcultural e Edital Elisabete Anderle/2017. Além das atividades dias 22 e 23 de outubro em Balneário Camboriú, também circulará em Jaraguá do Sul (17 a 18), e Florianópolis (30 e 31). 

 

Ensaio para algo que não sabemos - Protótipo 2: encher-se de buracos

 

"O trabalho não tem o intuito de abordar um determinado tema, mas assume o caráter subjetivo inerente à dança ao se aproximar da não-literalidade e da não-afirmação, convidando o público a experimentar também, em seu corpo, sensações, percepções, entendimentos por meio das imagens e sons que oferecemos. Cada corpo tem suas próprias questões, de acordo com sua constituição material e sua experiência; assim, o trabalho realiza um manifesto intrínseco, que age na sutileza, nas entrelinhas, no subtexto, nas frestas, nos buracos", explica Dani Alves. 

 

A incerteza é o princípio que permeia o trabalho, aqui representada num corpo à deriva, aberto à experimentação e aos atravessamentos constantes. A indecisão confere às bailarinas um incessante estado de reorganização, forma e desforma, inaugurando sentidos diversos às imagens, à luz e sons proporcionados, é uma dança acidentalmente construída.  

 

"Estamos trabalhando com dispositivos que gerenciam o nosso corpo a partir do ponto em que nos colocamos à disposição deles. Podemos exageradamente falar que, em alguns momentos, perdemos o controle sobre eles e nestes instantes nos colocamos em xeque. Nada muito diferente da vida, se manter atento e lidar com os imprevistos. A palavra ?exageradamente? contextualiza-se com o que acreditamos ser desafiador ao ser humano: admitir o erro, ser atravessado, sair da zona de conforto, perder a razão, ser ridículo. Portanto, estamos em busca, pois por fim, parecemos estar quase sempre no controle?, conta Karina Collaço. 

Terça, 13 de novembro de 2018
Roberto Leal fará show em Porto Belo
anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros